quarta-feira, 23 de maio de 2012

Uma "rapidinha"

Mais uma "rapidinha"   de final de tarde num dos quintalinhos do costume

Meia duzia de peixitos para fazer o gosto ao dedo e umas imagens para a posteridade
.
Muito peixe à vista mas sem se interessar pelas amostras.
Talvez precisem de mais 2 ou 3 diazinhos de calor para aquecer a água



Catch & Release
video

Até à proxima!

segunda-feira, 21 de maio de 2012

Abertura 2012 . "The Movie"

Ligar o som

video

Abertura em GRANDE

Depois de uma rápida incursão na passada 4ª feira para afinar a mão e matar o vício, impunha-se uma verdadeira abertura de época EM GRANDE.

O grandioso evento já estava agendado há meses para um local perdido algures entre o Ribatejo Selvagem e o Alentejo Profundo.
Mesmo com o tempo a fazer caretas, o S. Pedro ajudou à festa mantendo-nos todos sequinhos.
...todos à excepção da máquina fotográfica do Firmino que fez um "flick-flack" à retaguarda com dupla pirueta, e triplo mortal encarpado para dentro de água ;)

A turminha que alinhou à partida para esta jornada, foi:
Luis Firmino - o anfitrião
Joaquim Pereira (Joca) - o teimoso
Helder Serra - o papa bananas
Marco Cruz - o Cagão do dia
... e eu! - Malakyas

Para o almoço e para a segunda parte da pescaria, contamos com a presença do José António Martins do "Cana & Carreto Bass Team" - www.canaecarreto.blogspot.pt

Foi um dia EXCELENTE, na companhia de bons amigos e com muito, muito, e diria mesmo MUITO peixe a ajudar à festa, todos eles libertados

Uma especial palavra de agradecimento para o Luis Firmino que fez o convite e organizou a jornada.

Chega de conversa, porque as palavras pouco mais podem dizer. Ficam as imagens
(apenas uma parte das capturas estão aqui documentadas. Assim que possível serão acrescentadas mais fotos)










































No fim da Jornada, um momento de pausa para descanso dos bravos guerreiros




Este veio ao cheiro das minis e dos amendoins!

quinta-feira, 17 de maio de 2012

Inicio da época 2012/2013

Já há alguns dias que fazia planos de ir dar um "tirinho" no dia da abertura, depois do trabalho.
Entretanto, afazeres familiares e o puto mais pequeno com febre, fizeram-me desmarcar o combinado e talvez no dia seguinte desse para ir tirar o bafio ao material de achigã que não saía da arrecadação há 2 meses.
Entretanto, já mesmo à ultima da hora lá deu para me desenfiar e ir lá 2 horinhas, até ao pôr do sol, com o Rui a um dos quintalinhos do costume

Este foi o que inaugurou o marcador nesta nova época achiganeira

No total sairam 7 peixes, 6 para mim e um para o Rui, que teve o azar de não conseguir cobrar um verdadeiro dinossauro que se desferrou depois de um ataque violentíssimo a um buzz bait
Tinha sido uma abertura verdadeiramente em GRANDE para ele.
Fica para a próxima!
...mas para mim! ;)

Ficam as restantes fotos:



Até à próxima!

sexta-feira, 11 de maio de 2012

Legislação - Restrições à pesca no Tejo

Boas,

Deixo aqui um excerto do Edital Nº 151/2011, publicado pela Capitania do Porto de Lisboa em 31 de Janeiro de 2011, no qual se podem ler as restrições à pesca lúdica na área de jurisdição desta Capitania.



13.Pesca e mergulho


a.

É proibida a actividade de pesca, profissional ou lúdica, nas águas Interiores não Oceânicas do Rio Tejo, seja qual for o engenho ou arte empregue, nas seguintes zonas:


(1). Nos canais de acesso ao porto de Lisboa, designadamente Barra Norte ou Pequena e Barra Sul ou Grande e respectivas aproximações, entendendo-se para estes efeitos por Barra Norte um canal centrado no eixo da barra (definido pelo enfiamento do farol de Santa Marta com o Farol da Guia) e orientado segundo esse mesmo eixo (Zv=284,7º), com 500 jardas de largura entre a Ponta da Rana (φ= 38º 40.77’ N e L= 9º 20.63’ W) até ao limite Oeste da Barra Sul e por Barra Sul toda a área compreendida entre os enfiamentos da marca da Mama pela marca de Caxias (Zv=050,3º - limite Oeste) e da marca da Mama pela marca da Boa Viagem (Zv=044,2º - limite Este) e entre o enfiamento Peninha – Cidadela (Zv=336,3º - limite Sul) e o enfiamento do farol de S. Julião com o farol do Bugio, designado por linha de Entre-Torres (limite Norte) (cartas náuticas 26303 e 26304);



(2). No canal principal de navegação do rio Tejo:
(i) A jusante da Ponte 25 de Abril, sendo os limites Norte e Sul definidos respectivamente, pelos azimutes Zv=080º aos pilares Norte e Sul, até atingir o azimute Zv=000º à Torre de Belém, a partir destes pontos de cruzamento, pelo azimute Zv=275º até ao enfiamento que define os limites Oeste e Este da Barra Sul e dentro deste limite até à linha de Entre-Torres (cartas náuticas 26303 e 26304);
(ii) A montante da Ponte 25 de Abril, sendo o limite Sul definido pelo alinhamento entre o pilar Sul da ponte com o extremo Este do Cais do Ginjal e o limite Este
definido pelo alinhamento entre o extremo Nordeste da Doca 13 da Margueira e o farolim Este da Doca da Marinha (cartas náuticas 26304 e 26305).


(3). Nos canais de navegação, conforme definidos no “Regulamento da Autoridade Portuária de Lisboa” da APL, nomeadamente no(a):
(i) Canal do Alfeite;
(ii) Canal do Barreiro, incluindo o Canal da Siderurgia;
(iii) Canal do Seixal, incluindo o Canal da Trindade;
(iv) Canal da Cuf/ Quimigal, incluindo os Canais do Terminal de Líquidos e Terminal de Sólidos;
(v) Canal do Montijo;
(vi) Canal de Alcochete;
(vii) Canal de Cabo Ruivo;
(viii) Cala do Norte ou da Póvoa;
(ix) Cala das Barcas ou do Sul;
(x) Cala de Samora (só se aplica para dentro da Cala de Alcochete);
(xi) Todas as restantes calas e canais não discriminados anteriormente.


(4). Na zona delimitada por uma circunferência centrada na Torre VTS e com um raio de 0.2 milhas náuticas;


(5). Nas docas e marinas;


(6). A menos de 100 m do acesso a embarcadouros, docas e marinas, bem como de áreas delimitadas de estaleiros de construção naval e estabelecimentos de aquicultura;


(7). A menos de 100 m dos pontões de atracação, das rampas, das unidades militares, dos fortes, dos faróis, das rampas de salva-vidas e dos navios de guerra fundeados e das embarcações estacionadas ao largo a realizar operações portuárias;

(8). A menos de 100 m da desembocadura de qualquer esgoto desde que este esteja devidamente assinalado;

(9). A menos de 300 m dos cais acostáveis;

(10). Nas zonas de fundeadouro proibido para protecção de cabos submarinos fluviais e para protecção do tráfego de embarcações de transportes colectivos entre as duas margens;

(11). A menos de 500 m de navios com cargas perigosas, salvo se o contrário resultar da lei ou de convenção internacional ratificada por Portugal;

(12). Nos locais onde o exercício da pesca cause embaraço aos serviços de navegação e flutuação, sempre que como tal devidamente assinalados;

(13). Em áreas balneares, durante a respectiva época, a menos de 200 m da linha da praia;


b. Proibição de praticar mergulho:
A pesca submarina e a prática de mergulho amador são proibidas no estuário do rio Tejo, em toda a área de jurisdição da CPL.


segunda-feira, 7 de maio de 2012

Um regresso envergonhado

Chegou finalmente o dia de ir re-estrear o velhinho PENN Long Beach 68

As expectativas eram muitas devido a vários factores
Em primeiro lugar, porque já há 2 meses que o "XÔC" não via água sem ser alguma chuva que o vai salpicando quando vem tocada a vento.
Depois, porque estava muito curioso por sentir este carreto em acção de pesca,
E por fim, mas não menos importante, devido às grandes corvinas que já estão em força no rio.

Saímos com a maré mais ou menos a meio da enchente, com o objectivo de ir fazer o fim da enchente e o início da vazante a pescar ao fundo, e quando a maré começasse a vazar com mais força, íamos então ao "quintal" tentar uns robalotes.

A jornada começou enguiçada porque o vento era muito mais do que o Windguru anunciava e pior ainda, ainda dentro da doca, apercebo-me que a sonda tinha ficado em casa.... F*§£%&!!! C#*§&$%!!!, etc...
Fiquei piurso! ...mas não ia voltar a casa e lá fomos!

Escolhido o spot, pescas para baixo!
Empates 0,50, com 2 anzois 6/0 e metade de um choco a trabalhar na corrente. Até a mim me dava fome, quanto mais ao peixe! ;)

Enquanto o choco trabalhava no fundo, nós tabalhavamos no "XÔC" e batiamos a zona com vinis na expectativa que por ali passasse uma "burra"

Passado pouco tempo,  a ponteira começa com uma tremideira e uns puxões envergonhados.
Pego na cana e ferro!
Aí estava o velhinho Penn em acção! ... mas pouca! Um Charroco!! :(

Não tenho sorte nehuma!
Continuou a pesca e continuou a pouca sorte. Mais umas picadas e mais 2 Safios para o saco (pequenos).
Mais 2 ou 3 Safios, perdidos pelo Pedro. Não sei o que se passava com os anzois dele mas ao chegarem à borda do barco, davam meia volta e iam à vida deles.

Às tantas, uma picada das tais que estavamos à espera!
A embraiagem do "velhote" dispara a alta velocidade, mas quando agarro na cana e faço a ferragem, já ela se tinha ido embora!
Mais uma vez, estava visto que não era o nosso dia de sorte!

Com os vinis, finalmente o Pedro consegue ferrar um peixe, digno de registo devido ao seu tamanho...
...tão reduzido! :D  Esta, claramente, tinha mais olhos que barriga!
Foi devolvida para ser apanhada daqui a uns anos largos. Pelo menos assim espero.

Assim que a maré virou e a água começou a correr para baixo, acabaram-se as picadas. Eram horas de tentar os Robalos.

Chegando ao "quintal", meia duzia de lançamentos e um ataque. Deu meia dúzia de cabeçadas e desferrou-se!
Era pequenino e seria para devolver à água, mas poupou-me o trabalho mas deu-nos esperança de compor ali a pesca que até ao momento estava fraquinha.
Estava fraquinha e assim ficou, porque nem mais um toque.

Já de volta, o vento que entretanto tinha engrossado, levantava vaga muito desordenada e alguns "carneiros" que deixaram o Pedro ensopado que nem um pinto e uma valente dôr nas costas aos dois.
 Ossos do ofício!!

No fim do dia, a pesca foi esta miseria, mas deu para desgradar.

Em jeito de conclusão, falta dizer que não foi assim tão estranho pescar com o "Velhote"
Parece mentira, mas apesar da idade, o seu trabalhar e a sua recuperação é extremamente suave e é um poço de força.
É certo que não teve um teste à altura, mas a puxar estes peixes, o esforço era nulo. Parecia que só estava a puxar a chumbada.

Pode ser que para a proxima venha a "tal" corvina para o testar em condições.